segunda-feira, 4 de fevereiro de 2013

Como Negar A Verdade?

 Por que não posso apenas seguir minha vida e ser forte? Há tanta beleza no mundo, a vida é estupidamente bela, desgraçadamente bela, solidão que me parte ao meio, quero chorar no colo de alguém, misturar o cheiro de pele e lágrima, extasiar-me no calor humano, um coração faminto que vive a trair-me. Existe uma  porta de saída? Pois não consigo, não consigo abri-la e pedir ajudar, morro engasgada toda noite, a solidão sufoca-me a garganta, fico roxa, choro na imensidão da cama, o universo parece cair, me deixa te amar? Me deixa toca-lo, beija-lo, acaricia-lo, deixe-me amar cada parte do teu corpo, sei que no fim você não existe, e se existe jamais contarei a ti. 

Uma verdade instintiva vive entre essas metáforas, eu líricos e pseudônimos, a garota cruelmente apaixonada pelo mundo berra aqui dentro, sangra meus ouvidos, ajuda-me Deus, preciso matá-la, não consigo carregá-la dentro de mim, machuca-me, angustia-me, ela quer engolir o mundo inteiro, é bela, é meiga, é apaixonada, é urgente, imploro-te, livra-me dessa menina, mil ave-marias não podem me salvar. Preciso correr para longe de ti, para de abraçar a vida assim, para de destroçar teu coração ou ambas seremos destruídas, amadurece, não tens mais cinco anos de idade, para de amar a porra do mundo desse jeito, só para, as pessoas lá fora não estão dispostas, vão cuspir rejeição e decepção em você, por que não aprende? Por quê? Quantas vezes tenho de dizer? Se ao menos conseguisse suportar as frustrações sem enlouquecer, mas não consegue, você se quebra, se afunda, enlouquece e morre toda vez que partem teu coração, você não para de se partir, é tudo   responsabilidade sua, permite se aproximar, injeta esperança no ar, fica sorrindo, se joga de cabeça no nada, boicota tua sanidade, estou cansada, cansada de você, dou duro para manter o equilíbrio, dou duro para desapaixonamentos, tento ser racional, tento usar nossa inteligência emocional, mas garota, você fode com tudo na sua vida, June, Alice, Vanessa, Mellanie, todas nós estamos cansadas de você, esconde-la dentro de nossas peles dói muito, muito mesmo.

Meninas, vocês não sentem, sou eu quem sente tudo.
Meninas, você não existem, eu existo.
Meninas, vocês são minhas máscaras, são pedaços meus.
Todas vocês são a eu, por isso choraremos todas juntas.

É difícil me manter escondida, velada, não abrir meu coração, não parti-lo, não sofrer.  Estupidamente feliz e triste ao mesmo tempo, não desejo abandonar a vida, só que ela me quebra com facilidade. Olha pra mim, uma garota de várias expressões, mas nunca uma verdadeira. Agressiva, indiferente, passiva, serena, por que tanto esforço para esconder o que sou?
Abro meu coração, mas não demonstro.
Choro aos soluços, escondido.
Não abraço, toda noite me encolho na cama desejando um abraço.
Não elogio, não toco, não me aproximo, sinto minha pele gritando pela pele de alguém.
Vivo em constante guerra, vivo tentando conter esse furacão de emoções,  manter o controle vinte e quatro horas por dia é cansativo, fujo do meu controle,  toda vez que me permito ser uma garota de dezesseis anos me machuco.
Tenho uma visão amadurecida perante a vida, mas isso não se aplica em como lido com ela. Não há nada de especial em mim, não me vejo no direito de receber tratamento especial,  vou receber cuspida na cara como todo mundo, admito que seria agradável suportar isso com a ajuda de alguém, a infelicidade é que não acredito, não consigo ser otimista o suficiente para achar que os seres humanos não são sozinhos, estamos todos sozinhos, e morreremos todos sozinhos.
Devido ao nosso egoísmo, egocentrismo, agressividade, ingratidão e medo seremos trucidados pela solidão, é tudo nossa culpa. Seres humanos condenam a si próprios,  eu me condenei.

Mas como negar a verdade? Verdade cuspida e escarrada na alma, sou uma garotinha apaixonada, apaixonada por pessoas, livros, esportes, cheiros, sensações, paisagens, filmes, animais, cada centímetro de mim é paixão. Se sorriem , derreto, se tocam , suspiro, estou flertando comigo, sei bem o quanto tudo isso me machuca. Olha só, estou chorando, estou sangrando, estou rindo, vou ironizar cada sentimento de afeição nas próximas horas...
                          Você ri do amor, mas o amor vai te fazer chorar.
Esse homem nunca vai me amar...
 Esse homem nem sequer existe...

É claro que existe, você quer mentir para o leitor, não quer mostrar para ele que está de coração partido, é orgulhosa demais, faz rodeios e não assume o principal, essa paixão tira seu sono e te faz chorar, te faz quebrar o quarto todo, e como te conheço bem sei que não vai contar para ninguém.