quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Destrinchando

Aos dezessete sou poeta, aos dezoito deixo de existir. Existirá algo de útil para dizer ao mundo? Quanto suportarei sem ficar de joelhos? Ou será que ficar de joelho é um ritual essencial? Repetidamente colocados de joelhos, reze e trabalhe, incinere suas mágoas e supere-as!
Será esse o destino da raça humana? O meu destino como transtornada parece resignado a uma cura doentia ou a uma tragédia sem fim, mas não seria uma tragédia viver dentro do sistema?  Estamos lentamente levando-nos a um suicídio coletivo, suicídio de consciência. Escravizando sentimentos, robotizando corpos, liquidando a espécie, não importa desde que ninguém saiba.
A alienação está dentro de cada um de nós, as exigências do século XXI são pintadas de ouro para parecerem fáceis, as regalias são ótimas, ou você acredita que são ótimas? 

Eu tenho uma televisão grande, roupas bonitas, um celular com mil utilidades, livros novos, médicos de todos os tipos, minha mãe está lutando para me colocar nos eixos, na estrada que diz '' Seja bem sucedido, seja um exemplo, seja belo e vazio! Seja frio, mas carismático.
Estude dez horas, trabalhe seis horas, corra duas horas, pinte os cabelos, depile os pelos, emagreça, coma bem, vá a restaurantes, faça passeios com a família, e etc!'' 
 
Tradução : Faça o que você quiser, mas consuma e produza, consuma e produza até morrer, os médicos dizem para você dormir oito horas, mas você só poderá dormir esse tanto quando morrer. Vinte quatro horas não são suficiente para trabalhar, estudar, comer, consumir, assistir, transar.
O esteriótipo, os psiquiatras dizem que é meu cérebro, os psicólogos que é minha personalidade, a religião diz que é o diabo, os conservadores que é só uma adolescente problemática. Onde está a verdade? Adolescentes são animais selvagens, e diferentes entre si, alguns são mais facilmente domesticáveis, outros relutam, alguns preferem a morte, outros são quase indomesticáveis.
Defrontei-me com o espelho esta manhã, serei domesticada? Tenho dado problemas aos adestradores, o relógio está correndo, se não for domesticada rapidamente acabarei no abatedouro, na exclusão, no submundo. 
A frase mais corriqueira e sincera gritada aos quatro ventos é :  A juventude é a melhor fase, eu era tão feliz. É claro que sim! Você era selvagem! O que seria de nós se a juventude fosse eterna? O mundo seria relativamente pobre, atrasado, e feliz? Ou estaríamos todos mortos pela aids? Qual seria o segmento natural das coisas? Até que ponto somos mais inteligentes?
 - Faça algo com sua inteligência! Faça algo com sua inteligência! Faça algo com sua inteligência.... É o que tenho escutado ao longo dos anos, e o que eu faço com o coração? No sentido mais metafórico possível? Fui picotada, recortada, e remontei-me aos avessos, ou é isso que querem que eu acredite? Estou aos avessos porque estou completamente selvagem?
Sociedade : Ou você a engole, ou ela te cospe...Quanto mais mudo as peças de lugar, mais o mundo parece responder que está errado. E principalmente lá dentro, no mais profundo da alma, está tudo errado.  O espelho, a ansiedade, o corpo, a dúvida, a mágoa, o desejo, a procrastinação, a repetição, a cegueira, a injustiça, o desperdício, a impulsividade, a compulsão, a preguiça, o medo, a libido, o erro.
A liberdade é quase uma utopia, se tivesse crescido na mata, entre os bichos, sem linguagem, longe da civilização, talvez fosse livre... Todo o resto é uma única cadeia, mas o animal selvagem dentro de você ainda existe, hoje é a raiva e angústia sem motivo. Podemos atingir a tão sonhada estabilidade quando a vida é naturalmente um belo deterioramento instável?
Tanto fala-se sobre inteligência emocional, arrisco dizer que ela não condiz com as leis de ordem ''natural'' da sociedade. Nossos corpos de plástico, nossas mentes de plásticos, nossos romances de plásticos, nossas vidas de plástico.
Querem que a vida seja mais previsível que a morte,  o homem ficou tão fascinado com a máquina, que quis tornar-se uma.  A loucura é só uma variável, tudo é loucura, você pode ser apenas um, como todos os outros, por isso o mundo produz tantos loucos.
Sua mente recebe tantas informações que entra em pani, você não corresponde a todas as expectativas, uma euforia psicótica ou depressiva, ansiedades torturantes, pensamentos que mais parecem socos.
Acalmar seu coração? Trabalhar sua raiva? Sua impaciência? Seu nojo e desamor? Sua paixão avassaladora? Concentre-se? Raramente mantenho o foco, minha cabeça está constantemente girando, dando solavancos, invisíveis, inúteis.
Não consigo parar, estou andando, estou correndo, estou procurando meu lugar ao sol, mas dizem por aí que não existem um, e tenho de lidar com isso. No entanto, continuo correndo, talvez até do lugar ao sol, procurando algo que ainda não vivi ou descobri, utópica ou louca? 
Milhares de vulcões em erupções implosivas, somos nós..