sexta-feira, 22 de abril de 2011

Lembranças















Todas essas lembranças que apaguei foi porque cansei
Por tanto tempo eu sangrei
Nosso amor ficou na memória que se foi.

Sentimentos enferrujados, vejo seus fins cansados
Uma pirâmide de mentiras, ela já desistira.
De procurar essas esperanças ofegantes que as pessoas tem ao amar.

O seu garoto estava morto
Não por sua vida, mas por sua ida.
De encontro ao chão,quebrou seu doce coração.

Aqueles cacos cinzentos e sangrentos, trouxe esse fim violento
Isso não faz sentido para mim
Eu nunca vou me conformar com  esse fim

Lenta destruição, todas histórias cheias de emoção
Tardes boemias ,ficaram agora tão vazias
Beijos quentes e ardentes , morreram como indigentes.

Sobreviver sem ele dói e corrói
Sempre disse que era  horrorosa, pois era uma mentirosa
Medo do tempo, das lembranças e da falta que ele me faz.

Perdida



















Hoje eu acordei pensando em como viver?Quais os sentidos eu achei para viver?Com quantos sonhos eu vou montar o mosaico da vida?Sou uma garota estranha, sem começo, nem fim, onde foi a outra eu perdida de mim?
A garota forte e engraçada?Poderia ser ela de novo?Ela parece tão distante, quero ser o fogo, a chama de um pedaço, um pedaço que já fui um dia, cansei.Estou sentada na cama pensando, será que sou tão apagada assim?
Minha estrela não brilha, minha pele é envelhecida, está apodrecendo, manchas negras suturam minha face, como eu me sinto mal, triste, doente.
É a vida e seus caminhos cheios de cacos de vidro, você sangra para poder sobreviver, o calor lá fora simplesmente não me atinge, pessoas que foram embora, pareço um bicho que congelou com o inverno.
Revivendo dores passadas, eu não quero mais isso, grite para mim até meus ouvidos sangrarem, não tenho medo da dor só do amor.
Vontade, desabafo, realismo, verdade, quero apenas isso.

Sem inspiração



















To sem inspiração, esqueci do meu coração
Brincar de não fazer nada
Vou cair de uma escada.

Venha aqui para me ver viver, vou retroceder
Fazer você esquecer, não deixar a dor crescer.

Parei de me auto consolar, foi preciso acreditar
Quantas vezes já me viu chorar?

Deu vontade de escrever
Sobre eu,você e o nada
Muito bom agora vamos fazer

Fingir que não é uma coitada,que existo
Pode cansar mas não desisto.

Acre é o tédio, vou ter um revertério
De dor e desamor por você
Levando em conta todos meus sujos critérios

Amando e queimando, é assim que venho esperando
A vida é cheia de fardos , todos histericamente carregados.

Nunca fui a garota constante, nem mesmo em alguns instantes
Aprendi errar, recomeçar, e perdoar.

Um rio de dias vazios
Sentimentos violentos acabam em livros turbulentos.

Comecei sem nenhuma inspiração
E acabei em uma canção.

quinta-feira, 21 de abril de 2011














- O que você quer de mim?
- Sua presença.Ela já me encantara.
Caminhamos em silêncio até meu apartamento, entramos encharcadas.
Abriu sua mochila, tirando uma caixa cheia de folhas escritas.
- O que é isso? Indaguei.
-Minha vida!
-Como?
- É nessas folhas que relatei boa parte dos meus dias.
- Um diário?
-Relatos, histórias isoladas, quero que você fique com isso.
Falou olhando em meus olhos, aproximou-se e me deu um selinho suave.Fiquei hipnotizado por alguns segundos, ela levantou-se indo até meu telefone:
-Posso ligar?
-Claro.
-Obrigada.
Ela ligou para polícia vir busca-la ,se entregou, em poucos minutos o apartamento estava infestado de policiais.Muitos mistérios rondavam esse assassinato, não iria abandona-la, mas algo mudou tudo:
-Leia meus relatos, faça um livro, leve caneta e papel para mim.
-Ok.Foi só o que soube responder.
Pela janela vi eles levarem a bela rapariga dos olhos verdes, nesta mesma noite comecei a devorar todas aquelas folhas.

Por dois anos















Queria expressar tudo que tenho no peito, sentimentos distorcidos, agonias profundas, lembranças mortas, dor e amor, sentimentos doces e podres me completam, sou tudo e nada ao mesmo tempo.
Por dois anos eu não posso te amar.
O acaso te faz sentir coisas inesperadas, tudo acontece quando você se desespera.O acaso pode durar cinco minutos ou cinco anos, cada pedaço da sua memória é um sonho meu.
Por dois anos eu não posso te beijar.
Penso em como posso gostar tanto de alguém, mas estamos sobre uma pirâmide de diferenças, e uma hora cairemos.
Por dois anos eu não posso ter você aqui comigo.
Malditos dois anos filhos da puta, como esse tempo me machuca.Fico esperando uma chance, mas você nunca vai ser meu, realidade bate a minha porta toda vez que eu me levanto da cama de manhã.

Lindas Palmeiras














Vejo palmeiras verdes por essa janela, pequenos raios de luz do sol entram em meu quarto, como são vivas essas folhas.Aprendi a observar, completa solidão, quase posso senti-las respirar.
Quero tocar essa ilusão, meus olhos se apaixonaram, só posso ver, o mundo está escondido, foragido das minhas intenções.Por trás dessa pequena imensidão eu sinto o vazio, quebrando-se contra esse concreto frio.
Meus desejos pulsam no peito, estou puramente viva, palmeiras da vida , coração e emoção.Existe um motivo maior, uma motivação
 existencial.
Esse cheiro doce que ela exala em meio a tanta destruição me fascina, eu sou uma tola, por tempos pensei que a tristeza movia minhas palavras, mas agora vejo que é viver que me faz escrever.
Saltam do meu corpo, estou forte e doce como as palmeiras da minha janela, respingo gotas de amor, tenho a sensação de que fui tomada por muita esperança.
Por essas grades eu enxergo meu futuro, o que me espera, o frio,vazio e avassalador mundo.Várias faces da moeda, preciso lutar além das flores que rondam minha janela

segunda-feira, 4 de abril de 2011

Carta

                                        25 de fevereiro de 2016 - Campinas,SP

Uma carta para quem está lá no céu, bem distante de mim!

Ela esperou tanto por aquele campeonato, o que mais se ouvia da boca dela era : Morra por algo, ou viva por nada.
Com tanta convicção e força, quantas emoções existiam naquela frase, dura feito aço , humana feito sangue.
Acordei bem cedo , preparei um suco de laranja do jeito que ela gostava, sem açúcar,levantou suando frio,  mas me disse apenas que fora um pesadelo que a deixara assustada.
Duas horas de viagem, ela estava em puro silêncio, me lembro como se fosse hoje, eu vi a  coragem estampada em seus olhos.
Chegamos no ginásio sete horas da manhã, pulou do carro carregando seus protetores, recusando ajuda, eu sempre admirei sua força, não a física, mas a interior, nunca foi frágil, ela era um escudo, uma lutadora de corpo e alma.
Depois de se vestir, me pediu para amarrar seu protetor, me aproximei aproveitando para dar uma mordida no seu pescoço, pálida dos cabelos negros, tinha uma beleza rústica.
As mãos dela tremiam de emoção, era incrível , como ela amava com tanta intensidade.
Esperei ela por horas na arquibancada, a luta dela estava demorando tanto, comecei a ficar ansioso, e ao mesmo tempo preocupado , me dissera que teria 4 lutas.
Chamaram seu nome, levantei ela vinha tão linda, suas três primeiras lutas foram interessantes.
Na beira da grade , li o que os lábios diziam:

- Consegui, consegui chegar na final.

Estremeci, era muito bom ver aquele sorriso no rosto dela, os olhos brilhavam de uma maneira profunda e emocionante.
Se preparava para última luta quando eu senti meu peito doer, uma angústia contorceu lá dentro,controlei, mas achei estranho.
Comecei a torcer, gritando o nome dela, a luta começou igual, Mellanie estava vencendo, faltavam apenas dez segundos para acabar, quando seu protetor soltou bem na hora que ela tomou um  chute na cabeça.
Caiu de cabeça na mesa de marcação de pontos, fora do tatami, escutei apenas um estrondo, fiquei desesperado, tentando entrar lá dentro, os para-médicos chegaram colocaram ela na maca, passaram perto de mim, e olhei escorria sangue dos seus ouvidos.
Fui junto com ela na ambulância,desnorteado, completamente desnorteado, segurei sua mão, ela respirava com dificuldade :

- Mellanie...
- Morra por algo, ou viva por nada.

Com dificuldade ela disse essa última frase, encostei a cabeça no seu peito, escutei seus batimentos cardíacos parando.Não tinha voz, nem ação, sob minhas mãos ela simplesmente morreu.
Chorar, foi a única coisa que fiz nesse momento, mesmo depois de cinco anos, não consigo tirar a imagem dos seus olhos se fechando da minha memória.
Mesmo depois de anos, décadas, você pode dizer que sou um romântico brega, mas eu não vou esquece-lá.
Ela morreu dentro do seu sonho, fechou os olhos sorrindo, não,ela não era uma masoquista, sua humanidade apenas ultrapassava todos os limites, sentimentos sem lógica, eu vi amor dentro dela, eu vi todo aquele corpo, cheio de vida, ficar frio, mas ainda sim, exalar coragem, sem medo, ela morreu sem medo.
Ela sempre me disse que era uma bruxa, aprendi que bruxas são fortes, e princesas são doces demais para o meu conto de fadas, minha realidade não é puritana, é realista, e sincera, principalmente em seus personagens, eu sou apenas o elfo sonhador.

Assinado : Eros, com muito amor para minha Mellanie, eu sei que um dia você vai ler essa carta.


(Texto dedicado para Barbara, Lucas, e Rafael)

domingo, 3 de abril de 2011

Vítima

Casa cheia de rosas, uma carta nas escadas
Uma fita cheia de mensagens, para alguém que se importa
Colagem de palavras quebradas, e histórias cheias de lágrimas
Lembrando de sua vida, porque desejamos que você estivesse aqui
Nada é mais difícil que acordar totalmente sozinho
Perceber que não está bem, é o fim de tudo que você conhecia
O tempo continua passando, mas parece que estou congelado
Cicatrizes são deixadas para trás, mas algumas muito profundas para se sentir

E algo me diz que isso não pode ser real
E eu perdi meu poder para sentir, esta noite
Que todos nós somos vítimas de um crime
Quando tudo se vai e não pode ser recuperado
Nós não podemos parecer abrigar a dor por dentro
Todos nós somos vítimas de um crime

Algum dia você vai me encontrar em um lugar que eu gosto de ir
Perguntando a mim mesmo sobre coisas que eu nunca saberei
O que resta descobrir? Porque eu preciso de um pouco mais
Eu preciso de um pouco mais de tempo, podemos ao menos voltar o tempo?

E algo me diz que isso não pode ser real
E eu perdi meu poder para sentir, esta noite
Que todos nós somos vítimas de um crime
Quando tudo se vai e não pode ser recuperado
Nós não podemos parecer abrigar a dor por dentro
Todos nós somos vítimas de um crime


E nada dura para sempre, para todas as coisas boas isso é verdade
Eu preferiria rasgar tudo, por uma maneira de te salvar
Deve ter sido a estação que nos tirou da linha
Uma vez que eu fui tão alto, agora eu estou procurando por um sinal

Então não preciso de sua salvação com promessas e gentilezas
E todas essas especulações, guarde para uma outra hora
Porque todos precisamos de uma razão, uma razão apenas para ficar
E alguns apenas não se incomodam
Para ficar mais um dia

Vitimas de um crime
Vivendo com esse crime

Eu sinto sua falta!
Eu sinto sua falta!
Eu sinto sua falta!

(Tradução da música Victim,Avenged Sevenfold)

Machuquei

Machuquei a mim mesmo hoje
Pra ver se eu ainda sinto
Eu focalizo a dor
É a única coisa real

A agulha abre um buraco
A velha picada familiar
Tento matá-la de todos os jeitos
Mas eu me lembro de tudo

O que eu me tornei?
Meu doce amigo
Todos que eu conheço vão embora
No final

E você poderia ter tudo isso
Meu império de sujeira

Eu vou deixar você pra baixo
Eu vou fazer você sofrer

Eu uso essa coroa de espinhos
Sentando no meu trono de mentiras
Cheio de pensamentos quebrados
Que eu não posso consertar

Debaixo das manchas do tempo
Os sentimentos desaparecem
Voce é outro alguém
Eu ainda estou bem aqui

Se eu pudesse começar de novo
A milhões de milhas daqui
Eu poderia me encontrar
Eu poderia achar um caminho


(Tradução da música Hurt, Johnny Cash)

Manuel Bandeira

 Tristeza dos que perderam o gosto de viver.

A beleza é um conceito
E a beleza é triste
Não é triste em si
Mas pelo que há nela de fragilidade e de incerteza.

A meiga e triste rapariga.

O que eu adoro em ti - é a vida

A minha vida foge, foge-
e sinto que foge inutilmente.

Sombra de todos os que passaram
Os que ainda vivem e os que já morreram

( trechos Antologia Poética)

Delírio














Devo estar delirando, pois estou vendo alguém que não existe.Uma mulher de olhos escuros, roupas sujas e rosto cortado.Arrepios, é isso que ela me faz sentir, quer fazer parte de mim, mas estou com muita força.
Como um dragão eu vou me proteger, dessa loucura que você está causando.Ninguém pode viver com delírios, como você se chama?Você fala? O que você quer?
É cansativo procurar respostas, onde só existe pertubação,não consigo tirar sua imagem feia da minha mente.
Em março é onde florescem cores mortas do inverno, vá embora com as cores do verão, estou enlouquecendo.

Foto envelhecida



















Distante, é assim que estou, foragida de uma vida onde me encontrava enclausurada.Olhei o tempo lá fora, uma noite aconchegante.Grades a minha volta fazendo perguntas em minha cabeça.
Assistir a mim mesma é interessante,como um reflexo inexistente onde estou me vendo, esse refúgio tem gosto de foto envelhecida.Posso me ver de várias formas, eclodir em conceitos, porém não posso mudar essas cicatrizes horríveis nas fotos.Mas me basta um segundo para que a realidade seja transmutada para o nada.

Se apagam












Aos poucos sorrisos vão se abrindo, lábios entrelaçando-se, mãos buscando-se.O cheiro, o sabor fundi-se em uma só alma.Até os pequenos detalhes tornam-se grandiosos, pertencer a alguém nem que seja por alguns  minutos é intenso.
Pena que escorra pelos dedos assim tão rápido, é questão de sentir, explodir, e ir além dos seus olhos, com data marcada o sentimento  não acaba, só se apaga.

sábado, 2 de abril de 2011




Cicatrizes

No corpo e na alma elas doem, são o reflexo de uma vida machucada.Tantas coisas existentes em cada cicatriz,algumas cheias de boas lembranças, outras bem ruins.
Alma costurada de tão ferida, mas ela ainda se mantém de pé.Isoladas, elas se fecham mas não desaparecem.Muitas escondidas dentro do ser que fora cortado, nunca esquecerei de quantos cortes tenho em meu corpo, e principalmente dos que tenho na alma.

Observação





















A arte de observar as coisas, pessoas, paisagens, ver cada detalhe, cada movimento humano.Impulsivos, compulsivos,incessantes.desses bichos pré-históricos.
É ser uma câmera pelos olhos, é maravilhosa e aterrorizante essa capacidade.Podemos ver coisas lindas, coisas violentas, coisas tenebrosas.
Imagens que fundiram-se as minhas emoções,intenso demais.Desde pequena os olhos observaram, e geraram, tantas memórias.Que apenas de pensar sinto o estômago embrulhar de sentimentos.
Meus olhos realmente são o espelho do meu mundo, do vosso mundo.O espelho quebrado que forma o mosaico da vida.Cheio de pedacinhos de momentos puros ou sujos, formam uma existência.

Lucidez mórbida


Essa lucidez me apavora, me mostra uma realidade louca,muito louca.Por trás dessas grades existem coisas   mórbidas.
De verdade queria muito um conto de fadas para me salvar.
Salvar é a palavra certa, as cores que não mudam, a verdade, os fatos.Cinza, minha vida é cinza, e as pessoas mortas aqui dentro.Não consigo ser coerente, é tudo surreal, e invisível por aqui.
Tenho vontade de chamar os espíritos que me atormentam para meu mundo mórbido.Triste, rouco, e vazio, estou completamente lúcida.

O luar

















Como é mágico, luz da noite, jogue uma pedrinha no lago, e ondas de amor se formam sob esse lindo luar.Nem triste, nem alegre, apenas inerte.
Com olhos de vidro enxergo a mim mesma, brilha sobre a alma, cores frias e doces.Me deixa enfeitiçada, sob ele reinam apaixonados, solitários, amargurados, e assim isoladamente esse poder envolve a todos.
Tupã dos índios, satélite dos cientistas, maravilha dos humanos.Sentada nessa grama sinto minha metade lá no céu, como eu ele é choroso e solitário.

Ele: Meu vício














Como uma viciada em heroína estou com abstinência de você.Simplesmente sozinha contra parede eu penso nele.Meu lindo vício, é minha droga intensa.
Sem começo nem fim, estou perdida dentro de você, corroendo meus orgãos eu te chamo, te beijo, te quero.Você pede que eu me ajoelhe e implore,como  um animal procurando por comida, faço tudo que você quer.Choro, sento, fodo, amo, beijo,mordo,qualquer coisa para degustar esse vício, se olhar apenas de longe entro em crise.
Sorrio com vontade de cheirar, injetar, baforar, você em mim.Te amo, e te odeio meu querido vício.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Nada















Acordei com vontade de não dizer nada, não escrever nada, sem imaginação, sem sentimentos.É como se você me furasse e eu nada dissesse. Movida por sentidos vazios, ela se desespera.Essa sou eu,estranha, avessa, isolada.
Correspondente da melancolia, é o que sou , com solidão injetada nas veias.Você me diz para escrever algo lindo, mas não consigo, não é minha vocação.

Meninas Vs meninas

Por que não? Ninguém manda nos sentimentos.É fácil falar, difícil é sentir, mas hoje em especial vou falar sobre bissexualidade.Sexualidade instável, indecisa, isso é a mais pura verdade.Mas não quer dizer que sejamos putas, safadas, isso é preconceito.
O que fazer se somos instintivas, chuva torrencial, em nosso mundo não existem gêneros, apenas sentimos, independente do sexo.
Minha vontade seria ser definida, e quantos sonhos você tem?Eu tenho esse, de sair para o mundo heterossexual ou homossexual.Não venha me chamar de lésbica, é algo que irrita muito.Bissexualidade não é lesbianismo, não é safadeza, não é modinha.
















Batom vermelho e o cigarro



















Mulher de batom vermelho , tragando seu cigarro manchado.Atitude sensual, e complexa, só mulheres fortes possuem esses dois atributos.
Ela pega seu vinho, vira o copo todo,pisca para o homem de olhos castanhos escuros, quantas agonias ela quer matar sendo assim?
Por trás da forte mulher fatal, uma menina quer amor.Por uma noite se envolve com o homem, sente seus lábios mancharem os dele, que cheiro infernal de cigarro,eles vão foder a noite toda,no outro dia ela vai chorar, pois estará sozinha como sempre.

Recomeço













Tempo de recomeçar, fazer um início menos sujo.Chegou ao fim essa era de dor, remorso.Desliguei-me do meu próprio passado.
Para seguir em  frente, lutar nesse presente em ruínas, um futuro que vai brilhar.Onde só vão escorrer lágrimas de felicidade,sorrisos não vão doer.
Onde essa garota vai pensar em si mesma com vontade de viver, não vou parar, agora nesse início vou lutar.

Não ao amor















Amor intenso, eu queria te ter todos os dias, migalhas ficam assim tão cortantes.Eu te amo de verdade, aqui dentro eu vou chorar por você.Não me peça para viver algo que não pode acontecer, com músicas tristes eu choro e imploro para perdoar você.
Escrever sobre romance é fácil, mas não satisfaz meu peito, é com tristeza que eu lhe peço, não chore , o amor é assim , feito para a solidão.
Sozinho ele vai urrar, nas já não importa quantas vezes eu amei, doeu, e muito, por isso antes que doa estou lhe mandando embora.

Manuel Bandeira

                                             Alguns trechos do livro Antologia Poética







Esta manhã tem a tristeza de um crepúsculo

 A sua agulha de aço em meu crânio doído

 São prostitutas, são declamadoras?São acrobatas?São as três marias?

Tua beleza esmeralda acabou me enlouquecendo

Tu não estás comigo em momentos escassos

 Vejo nele a feição fria de um desafeto.

Sinto que minha vida é sem fim, sem objeto ...

A velha alma arruinada e doente

Ardeu em gritos dementes
Na sua paixão sombria...
E dessas horas ardentes
Ficou esta cinza fria.
  - Esta pouca cinza fria...

E te amo como se ama um passarinho morto

Que nos penetra como uma espada de fogo

Ao contacto das minhas mãos lentas
A substância da tua carne
Era a mesma que a do silêncio

A doce tarde morre.E tão mansa
Ela esmorece.

Paixão puríssima ou devassa
Triste ou feliz, pena ou prazer
Amor- chama, e, depois, fumaça.

Eu estava contigo.Os nossos dominós eram negros, e negras eram nossas máscaras.

Feita de sonho e de desgraça.

-Eu faço versos como quem morre.

E nestes versos de angústia rouca
Assim dos lábios a vida corre,
Deixando um acre sabor na boca.

Só-meu coração ardeu.

-Foi então que senti sorrir o meu desgosto.

Três dias e três noites
Fui assassino e suicida.

É bem verdade que me tortura
Mais do que as dores que já conheço
E em tais momentos se me afigura
Que estou morrendo, que desfaleço.

Morrer sem deixar o triste despojo da carne.
A exangue máscara de cera
cercada de flores
Que apodrecerão - felizes!num dia
Banhada de lágrimas
Nascidas menos na da saudade do que  do espanto da morte.

Morrer
Morrer de corpo e alma
Completamente.

Em nenhum coração, em
Nenhum pensamento,
Em nenhuma epiderme

( Depois posto mais)

Falando sozinha














Mogi das cruzes- 30 de março
                                                       Lucas
Eu estou escrevendo essa carta para lhe explicar algumas coisas, e de certa maneira você me faz companhia, minha letra sai feia porque minhas mãos tremem devido aos remédios que tomo.
Fiquei internada do dia 21 ao dia 26 devido a novas mutilações.Desculpa por ter acontecido de novo,segunda agora dia 28  fui internada de novo tive uma outra crise.
Só quero ser sincera acho que vou ficar por aqui por mais uma semana, queria ter a chance de pelo menos ter uma letra decente.Então tenho crises diárias, vejo uma mulher, me corto muito, sou um tanto triste.
Achava que poderia tudo isso, eu gosto muito de você, me acho ruim demais para você.Você é lindo, fofo, interessante, não merece uma garota meio louca.
Vou escrever uma carta para você todos os dias , leia se quiser.Saudade de escutar música, aqui só escrevo e leio,como e durmo, nem choro mais,é  a realidade.
Você é uma das minhas motivações, sonho sabe?Completamente apaixonada, tentei te esquecer devido aos meus  problemas, mas não consegui.
Agora são seis horas da tarde, troquei a caneta.O que será que você está fazendo? Beijos, não queime nosso sentimento.

Mogi das Cruzes- 30 de março.

Oi lucas, acabei de acordar, e já tomei 4 comprimidos , raiva, são sete horas da manhã, você deve estar dormindo seu preguiçoso.
Estou com saudades de você, muitas mesmo, vai demorar para mim sair daqui.Posso dizer que te amo?

Oito e cinco : Estou viciada em você, quase posso sentir sua presença.Seu beijo, seu abraço, nossas risadas.

Nove e meia : Sentimentos alucinados, estou confusa e triste, pois estou trancada sem ninguém.

13:15 Chorando pois não consigo parar de ver a mulher no teto, ela é muito feia, queria estar com você, meu lindo.

15:15 Entediada realmente entediada,saber o que é loucura, estou pensando no filme que quero ver com você. *-*

Realidade me lembra que estou internada, já são quase quatro horas, hora de visita, será que vem alguém?Acho que vou dormir.
Escrevi 6 textos, produtivo, mas agora vou parar de escrever para você, te importuno até quando você não está vendo.
haha- lindo


Ela perdeu os outros textos, ela é burra, mas é apaixonada.

Chuva















Serena, forte, torrencial, de qualquer jeito ela lava a alma.Purifica os poros, penetra seu corpo, te trás lindas memórias mortas.
Mas também tem suas máscaras, machuca com seu jeito mórbido de escorrer, pode lhe trazer lembranças de um dia nublado.É como uma faca de dois gumes, na chuva você pode brincar de viver na fantasia.
Fantasia de sorrir, chorar, agarrar, adoro essa proporção de chuva que a vida me da.Podia chover todos os dias, o tempo todo, eu seria mais alegre, ou mais triste, apenas depende.

O que restou













Que lindo dia para morrer, cinzento, mórbido, estagnado.Eu estampei algumas cores em fotos velhas e mesmo assim elas vão se destruir sozinhas.É triste dizer que é o fim para mim, mas do que adianta ser um vegetal?
Eu escolhi esse destino, perdi amigos, amores, cores e flores.Dizendo ao tempo que me agarraria a vida com todas as forças, com unhas cravadas, mas se desprenderam da face,  perdi a corrida contra a felicidade, chorando por dentro estou deitada na grama.
Estrelas restaram dessa vida, mas já não posso sentir o brilho delas.Não fique assim, não seja uma covarde, não existe mais tempo para lutar.
Estou cantando para o céu, ele já é feio, com minha voz rouca já podem pintar um triste quadro desse momento.

Coração

Sou o anjo que Deus rejeitou sou o demônio que o diabo rejeitou.Palavras intensas, cheias de vida, que elas queimem toda minha dor.
Meu coração ofegante, pulsa o sangue que move minha vida, e apesar de estilhaçado, quebrado, machucado, ele continua sem parar.
Fico me apunhalando para parar de sentir mas apenas sangro mais, por isso agora vou deixar que os sentimentos deflorem em mim.
Coração seja valente, seja prudente, e infeliz.Não vou mas esconder você, cansei de me rasgar todos os dias.