terça-feira, 10 de setembro de 2013

Papai

 Enquanto meus ossos cresciam eles doíam
   Eles doíam muito
          Eu tentei muito ter um pai
            Em vez disso tive um papai (8)


Eu sou a garotinha bonitinha, a menininha dos cachinhos dourados, olhos esverdeados, a doçura em meus olhos é sua papai, você está mesmo disposto a destruí-la para satisfazer teus desejos mais íntimos? Papai, eu sou tão menina. Papai, você vai me enlouquecer. Papai, você vai me sujar.
Você sabe quantos anos eu tenho agora? Sabe o que fez com meu cérebro? Sabe que está profundamente enraizado na minha pele? Sabe que estou rejeitando a mim mesma tentando tirar você de mim? De dentro de mim? Consegue dormir em paz? Você sofre como eu? Caralho, ao menos você sofre? Onde está toda sua audácia agora, responda-me!

Estupre-me com suas palavras papai! Não pode ser pior do que você já fez! Olhe dentro dos meus olhos, olhos de menina perdida, devolva-me o controle, o controle da minha vida, o que você me fez perder enquanto se satisfazia com jogos doentios. 
A pele intacta que você tocou, está destroçada. Cicatrizes escritas com sangue, crueldade e loucura. Usou deste corpo para vingar-se do mundo, vingar-se de si mesmo, vingar-se do fruto concebido de uma tragédia sentimental. 
Afinal, papai você machuca tudo que ama. A vida toda tem machucado as pessoas ao seu redor, principalmente as quais você se importa. Todo o seu ser é destruição, dedos ácidos, olhar perdido, esbanjando cinismo, só de olhar me dói. 
Fez desta menina a encarnação da tua loucura, enfiou todas as suas dores em mim, estrangulou minha inocência, não suportou tamanha doçura sendo sangue do teu sangue, precisou costurar-me a tua maneira. Eis aqui o bode expiatório, metade sua, metade minha, por vezes não sei a quem recorrer. 
Sua voz martela incansável : Putinha, mentirosa, cínica, louca, safada, sem caráter, leviana, malvada, ruim, prostituta. Mas tudo que me dissestes papai, era você o tempo todo, projetou em mim os conceitos sobre si mesmo. 
Cuspiu um conceito de amor tão esdrúxulo, de fato não ama nem a si mesmo. Os fantasmas dos teus erros te perseguem, pois ele também me perseguem. Fez de mim, uma versão de si próprio. Por que tanto egoísmo? Mesmo que morra, vai permanecer vivo na minha alma, atormentando-me, perseguindo-me. 
Tua linda garotinha, papai. Jorrastes sêmen dentro dela, manipulou, quebrou, machucou, torceu, sufocou. Tarde demais para pedir perdão, tarde demais para arrepender-se, tarde demais para retomar o controle. 

Um beijo e um abraço da filhinha que o odeia!


Nenhum comentário:

Postar um comentário