quinta-feira, 17 de janeiro de 2013

Vadia

Uma vadia adolescente, uma vadia deprimida, uma vadia inteligente, uma vadia tímida, uma vadia cretina.
Eu sei quem você é, sei o que você pensa, sei o que você sente, tenho ânsias, náuseas, não me toque nunca mais, sua puta destrutiva, não sorri para mim, engole o choro falso, ou melhor, chora, para de fingir que nada te atinge.
Você trepa com o mundo, melancólica e bondosa, só aparece quando solicitada, é o tipo de mulher que não causa problemas, não pede dinheiro, não pede amor, não pede compaixão, vadia por convenção, por isso te desprezo, inútil, descarga de porra, por que perco meu tempo? Não dá a mínima para as merdas que falam de você, para as merdas que fazem com você, a voz sempre doce, um riso distante, não reclama de nada, o mundo cospe na tua cara; você sorri.
Mantém o silêncio, não procura as pessoas, não faz furdúncio, não fala alto, é quase inacreditável, não parece uma vadia, engana bem, ou engana a si mesma? Você é uma viajante no tempo, o vai e vem do corpo, o vai e vem na vida,
É medo de ser odiada? É medo de ser amada? É medo de ser machucada? Não sei, também não quero saber, não da para saber porra nenhuma! Olha no espelho, abre bem os olhos e olha tua alma, procura algo realmente verdadeiro aí dentro, revira esse lixo, há muitas respostas que não quer ouvir, abre seu coração, não suas pernas, ou melhor, ABRA... Seu depósito de porra, eu te amo, te amo com toda minha falta de inteligência emocional, há uma falha no cérebro, uma falha no caráter, mil falhas no corpo.
Pare de aparecer no espelho todas as vezes que olho para ele, eu não sou você, não quero ser você, pare de dizer que estou ficando louca, sou feliz quando estamos separadas, sou feliz sem tuas lâminas, sou feliz sem tuas bebedeiras, sou fraca sem tua força, mas posso superar.

terça-feira, 8 de janeiro de 2013


Falando Sozinha



Anda destroçada, fatigada de amar, de repente seu coração resolveu correr uma maratona, se apega repetidamente, sucessivamente, chamas que alastram-se rapidamente, queimam, doem, ardem, desaparecem, tudo no mais pleno silêncio, sem uma única reclamação, orgulho e medo, rejeições reais ou imaginadas, ilusões que se curam com quinze dias de dor.
O excessivo controle emocional tem deixado esse peito apertado, só chora escondido, geme pelos cantos, engole emoções como pílulas para dormir...
'' Menina, é teu lado mais bonito, por que cospe tanta dor, e esconde tanto  amor? Demonstra e lida muito bem com certos sentimentos, isto é; tédio, depressão, agonia, culpa, ódio, carrega orgulhosamente um belo par de olhos entristecidos, mas quando se trata de amar, você foge, grita e esperneia, tem medo, adoece, tenta arrancar o amor de você da forma mais cruel possível, você tem medo do amor porque tem medo de ser rejeitada. Você não sabe lidar com decepções e rejeições, se passa por forte, mas nem ao menos sabes amar, você torna tudo um completo inferno, não consegue simplesmente sentir, e viver. É fraca, não aceita as emoções que dependem das pessoas, egoísmo. Não aceita o amor porque é egoísta, egocêntrica.''

'' Chega! Eu sei, sei muito bem disso. Entendes? Não preciso de uma conselheira, sei quem sou, só não sei lidar comigo. É verdade, não consigo apenas ficar em paz, me aceitar romanceada, sofrendo as pequenas e deliciosas agonias da paixão, para mim é terrível, não quero quem não me quer, ponto. Coloco expectativas demais nos detalhes, exijo de mim, exijo das pessoas, isso sem dizer uma única palavra. Sou uma cretina que acha que as pessoas são telepatas... E se elas fossem ficariam loucas comigo, e também estou cansada disso, desse meu jeito, sou um porre ambulante, escrevo achando que alguém vai me entender, que alguma alma penada sente o mesmo que eu, talvez sinta. Tenho que dizer, abrir minha boca, dizer não, dizer sim, dizer quero, dizer não quero, é assim, ou não. ''