sábado, 28 de julho de 2012

Amor Cruel


Todas as noites a solidão deita-se comigo, seus beijos ácidos me fazem dormir e ter pesadelos infernais. Para mim o trem nunca esteve nos trilhos, me relaciono com a vida de uma forma muito intensa, nunca estamos em paz, é uma grande guerra psicológica, sou tão submissa aos seus desejos, seus dedos laminados vivem me tocando, enquanto sangro ela sussurra em meus ouvidos. - Você é minha! Sua puta! Quantas vezes já implorei pela morte? Palavras vagas,gritos dementes, desejo falso, toda vez que confronto a morte, paro no meio do caminho, o corte nunca é fundo demais, o remédio nunca é o suficiente, são indícios de que sou cruelmente apaixonada pele vida, e ela sabe disse, trata-me como sua cadelinha, me diga, por que eu? Por que você me escolheu para ser sua garotinha? Esperando você cuspir a resposta na minha cara! Jogou-me entre os humanos mais fétidos, esfregou meu rosto nas histórias mais ásperas, deu-me uma sensibilidade perturbadora, quais seus planos? Eu exalo vida, sim, eu exalo você,sentimentos que são granadas, pensamentos enlouquecedores, os lábios   com sabor de dor, provei a dor de todas as formas possíveis, o que mais você quer de mim? Isso nunca vai ter um fim? A morte me assombra, mas você e suas grandes garras afiadas despedaçam-a sempre, se você realmente me ama, por que não me deixa ir sua desgraçada? Meu grande amor desgraçado, nós choramos, nós gritamos, sou seu corpo relutante. Sou o bode expiatório que você usou para poder enlouquecer sem ser descoberta, afinal é difícil carregar um doido nas costas né? Eu nunca tive escolha, sou sua escrava, escrava da vida, o que me resta fazer então? Tirar a roupa, e esperar seu abraço quente e doloroso, vamos me faça sangrar!

domingo, 22 de julho de 2012

Insanidade

Que belo sorriso. Quantos dias ele durou hein? Pobre menina, podes me sufocar por um tempo, eu voltarei. Sempre volto. Estou dentro de você, nem todas as forças do universo podem me parar. A vida lhe sorri, seres humanos dizem palavras esperançosas, o amor te doma como uma cadela, esse coraçãozinho infla de esperança, assisto essa cena patética por dias, muitas vezes não contenho o riso irônico precedido de uma pontada de dor, sei o final desse clichê.
Em uma manhã qualquer você recebe novamente a cusparada.


 - A vida adora cuspir ácido na minha cara. Ouço sua voz dolorida e revoltada.
- Ela cospe na cara de todo mundo. Digo sorridente deitada na cama, observo seus traços tomarem forma, é triste, eu não devia sorrir da desgraça alheia, mas querida, amo-te. Eu realmente amo-te, quando resolve ignorar-me, fico pálida, ressentida, tão machucada quanto esse órgão que tens no peito. Capto seu sorriso falso no espelho, os olhos profundamente vidrados, tu não não podes viver sem mim. Caminho lentamente, sinto-me aquecida, o caos está por vir, não há lágrimas em seus olhos, a dor corre em suas veias, sua essência sou eu. Em pouco tempo estou de volta, mais forte do que nunca. Eu sou sua insanidade menina.


- Não somos a mesma pessoa, mas temos as mesmas lembranças. Odeio as pessoas. Elas me criaram. Nasci através de trauma e dor, causados por ela. Você odeia a vida,  foi criada pela mesma. Sua sanidade momentânea é que te mata sabia?


- Eu não quero você. 
- Isso nunca foi questão de escolha.


Luta, luta tanto, só eu sei, pois sou sua adversária invisível, enquanto a vida lhe da socos, pontapés, vou sorrateira mastigando sua mente, acorrentando seus pulsos, quando a fera está domada, nos revoltamos contra a vida juntas, percebeu a ironia?
Pois se seu inimigo é a vida. Você procura a morte. Consciente ou não.
Não há lógica nisso.
Por que alguém odeia a vida? Onde há ódio, há amor. Um louco amor.
É aí que entro, humanos, meus criadores, e criaram-me através da jovem Dolly.


Eu quero ela viva. Só assim podemos destruir os humanos, é difícil mostrar para um coração de dezesseis anos que os reais culpados de sua insanidade são os de sua própria espécie, em especial os que ela mais amou.
Todos ao seu redor serão afetados, ninguém vai escapar da minha fúria, vão temer, vão abandonar Dolly. Querendo ou não vai machuca-los. Eu comando Dolly, me alimento de sua dor, de suas lembranças. Sou feita de tudo que ela rejeita. Não sou a causa do incêndio, mas sou o vento que alastra. 


Dolly é conhecida por matar tudo que ama, boicotar a própria felicidade.
Desculpe-me, mas o que posso fazer? As vezes tenho de jogar sujo, o amor suga Dolly, suga todo meu alimento. Sou um vírus parasita, cuide-se, o próximo pode ser você. Feridas criam monstros, você está ferido? Eu estou. Sou a insanidade de milhares de humanos, e posso ser a sua, se outros humanos me permitirem.





sábado, 14 de julho de 2012

" Me fiz de rocha, mas sempre fui flor."


                             

Talvez ainda exista em mim uma menininha machucada, destroçada por mãos rudes. Uma garotinha de nove anos que ainda ouve seu pai chamando-a de putinha. Fazendo-a ter nojo de si mesma, enquanto ele é que fazia coisas nojentas com ela. Por que você me destruiu assim? Os anos se passaram, mas a voz ainda grita em meu interior, dizendo mentiras que destroem quem eu realmente sou. Por que você fez isso comigo? ....
Feridas criam monstros? Por que eu fui ferida. Um lado mantém meu verdadeiro eu. E o outro lado insiste em acreditar que sou o que você dizia. Então cresci. O que eu me tornei? O que eu realmente sou? Eu sou as máscaras que criei? Eu sou o que você dizia? Ou eu sou o que meu coração diz? Aquilo que ninguém vê, ou melhor eu não vejo. As pessoas dizem que eu sou meiga e dócil, será que eu passei todos esses anos tentando ser o que não era? Ou criando uma personagem para me proteger dos nomes que me deu?
No momento tenho um nó na garganta, e uma dor no peito que sufoca, quase não consigo escrever, tenho vontade de chorar, gritar, mas existe um abismo até lá. Será que me permito ser a garota que escrevia poemas adoráveis, e gostava disso, ou a jovem armada de palavrões e palavras sexuais sufocou-a? Isso que acho que sou , será que realmente existe?
A maquiagem forçada, o ódio, a puta, a ingrata, a egoísta, a insensível, será que é isso que eu sou? Tenho de avaliar os fatos, vamos lá. Uma egoísta se importaria tanto com os sentimentos das pessoas? Uma puta ficaria maravilhada com um leve cafune, e uma companhia para o café? Veria as pessoas pelo que elas são? Pois sim, sempre riem de mim, dizendo que não vejo aparência. Eu sempre procuro o brilho nos olhos das pessoas. Eu sempre procuro suas almas. Eu sou cruel como penso? Analisando de verdade, vendo com meu coração, acho que não. É tão difícil falar bem de mim mesma, mas sim eu tenho moral, eu sou aquela que não gosta de falar gírias ou palavrões. A que prefere falar bumbum em vez de bunda. A que diz e compreende o sentimento das pessoas, ou pelo menos tenta. Que diabos você fez menina? Por que acredita ser tão terrível? Quando é na verdade tão frágil, quando brigam contigo o que faz? Quase sempre se cala, e deixa as coisas ficarem calmas. Suas personagens, o que você diz que é, é tão diferente do que realmente é, e pelo que vejo, é um pouco ao contrário das outras pessoas, você diz coisas ruins sobre você, a vida toda você fez isso, e chorou em silêncio com tudo que não fizeram contigo.
Você engana seus amores, e a si mesma dizendo que é cruel ,você pode ser pecadora,mas não é um monstro, nem uma puta divina. Você é só uma menina .

quarta-feira, 4 de julho de 2012

Real Essência



É tanta escravidão, é tanto consumismo. Quero um carro veloz, todos os aparelhos tecnológicos, até aqueles que não tem utilidade nenhuma. Quero a roupa de marca, a comida mais cara. Você estuda, trabalha, e então constrói sua vida sobre uma pirâmide de coisas inúteis, onde diabos a sociedade vai parar? Não sou nenhuma naturalista, ou hippie, mas onde a sociedade esqueceu seu cérebro? Quando foi que eles  perderam sua essência? E por quê?
Os homens nunca foram perfeitos, seu espírito e instinto sempre foram violentos, destrutivos, gananciosos, mas cada vez mais nos tornamos meros robôs, zombies, lugares lotados com pessoas vazias? Um sonho : Um mundo mais humanizado.
Não sonho com um mundo sem violência, sem falsidade, sem ambição ou maldade. Só desejo viver em um lugar onde exista espaço para uma companhia para o café. Onde sexo seja melhor que dinheiro, onde as pessoas não sejam meras mercadorias do capitalismo, da mídia.
Perca tempo, leia livros, olhe o céu, faça sexo, escreva bobeiras, veja filmes, pratique esporte se gostar, ou fume se quiser. Beba uma pinga barata, observe o movimento das folhas, ou escale um pico. Jogue rpg, torça pelo seu time, durma muito, ou não durma nada, dance músicas idiotas, escute uma sinfonia, jogue sinuca ou truco. Não se importe com algo que pode ser rasgado, e tirado de você tão facilmente. Não, não acredito em deus, para mim não existe nada além daqui, e sim, a vida é uma merda, ela é cheia de dor, decepções, e tragédias, entanto também é feita de sorrisos, lágrimas, e milagres, milagres humanos, e não divinos. Você é o que é, o que ama, o que sente, e não o que tem, pode achar isso idiota, no final da sua vida, ou em algum momento dela você vai entender todas essas palavras. É uma pena que algumas pessoas nunca vejam isso. Todas essas palavras são vida, o que você tem na carteira é vida? Pode ser. Com ela você pode viver isso ou aquilo, mas você jamais poderá morrer com isso, abra sua mente, quebre a corrente que lhe fez acreditar que poder, dinheiro, são tudo. Olhe a sua volta, as salas de terapia estão cada vez mais cheias, a indústria de remédios psicotrópicos só cresce, os países mais ricos são os que possuem maior índice de suicídio, depressão, problemas psiquiátricos, acha que tudo isso é coincidência? Você é um ser humano, tem um cérebro, acima de tudo, um coração. Poético, científico,   ou racional isso tudo é real. Esse é o mundo real.
Já estive tantas vezes no abismo, no abismo entre a vida e a morte, sempre voltei, eu volto porque existe amor, existe sentimento, quando você está no fundo do poço, quando  está sem a mínima vontade de continuar, quando não quer mais respirar, e volta, você vê que só voltou pelas coisas meramente humanas.
Você não volta pelo carro, nem pelo dinheiro no banco, nem pelo poder, nem pelo que as pessoas vão pensar, tudo isso é tão superficial, vazio.
Existir vai tão além disso, é tão mais intenso, mais simples. Com toda certeza não poderá fazer tudo que quer, mas poderá optar sempre pelo amor. Podes ser um grande capitalista, é uma escolha, não é mesmo? Só não diga que não avisei, quando estiver doente, ou velho, solitário, tudo que você possui não vai secar suas lágrimas, nem afagar seus cabelos, ou cuidar de suas feridas, as feridas dentro de você.
Repare que em momento algum falei de felicidade, só falei de vida, e isso basta. Só isso basta. Felicidade tornou-se uma palavra promíscua e vaga.
Pode achar que falo isso por ser uma jovem ainda, por tem esperanças juvenis, por não ter vivido muito. Sinceramente, já vivi mais que muitos por aí. Tenho uma coleção de traumas, cometi erros imperdoáveis, destruí e fui destruída. Passei dos limites, vivi sem limites, mutilei sonhos, sentimentos, minha pele, sou uma sobrevivente. Não há outra palavras. E aqui estou, lhe dizendo, que a vida tem de ser vivida, que não há muitos sentidos, mas que há muitos motivos.
Desligue sua teve, olhe-se no espelho, e veja quem você realmente é, o que você é além de suas roupas, além de sua casa, além de seu carro, além de sua reputação, além de seu cargo, você se considera humano?
                                                                   Liberte-se!