sexta-feira, 22 de abril de 2011

Lembranças















Todas essas lembranças que apaguei foi porque cansei
Por tanto tempo eu sangrei
Nosso amor ficou na memória que se foi.

Sentimentos enferrujados, vejo seus fins cansados
Uma pirâmide de mentiras, ela já desistira.
De procurar essas esperanças ofegantes que as pessoas tem ao amar.

O seu garoto estava morto
Não por sua vida, mas por sua ida.
De encontro ao chão,quebrou seu doce coração.

Aqueles cacos cinzentos e sangrentos, trouxe esse fim violento
Isso não faz sentido para mim
Eu nunca vou me conformar com  esse fim

Lenta destruição, todas histórias cheias de emoção
Tardes boemias ,ficaram agora tão vazias
Beijos quentes e ardentes , morreram como indigentes.

Sobreviver sem ele dói e corrói
Sempre disse que era  horrorosa, pois era uma mentirosa
Medo do tempo, das lembranças e da falta que ele me faz.

2 comentários: