segunda-feira, 4 de abril de 2011

Carta

                                        25 de fevereiro de 2016 - Campinas,SP

Uma carta para quem está lá no céu, bem distante de mim!

Ela esperou tanto por aquele campeonato, o que mais se ouvia da boca dela era : Morra por algo, ou viva por nada.
Com tanta convicção e força, quantas emoções existiam naquela frase, dura feito aço , humana feito sangue.
Acordei bem cedo , preparei um suco de laranja do jeito que ela gostava, sem açúcar,levantou suando frio,  mas me disse apenas que fora um pesadelo que a deixara assustada.
Duas horas de viagem, ela estava em puro silêncio, me lembro como se fosse hoje, eu vi a  coragem estampada em seus olhos.
Chegamos no ginásio sete horas da manhã, pulou do carro carregando seus protetores, recusando ajuda, eu sempre admirei sua força, não a física, mas a interior, nunca foi frágil, ela era um escudo, uma lutadora de corpo e alma.
Depois de se vestir, me pediu para amarrar seu protetor, me aproximei aproveitando para dar uma mordida no seu pescoço, pálida dos cabelos negros, tinha uma beleza rústica.
As mãos dela tremiam de emoção, era incrível , como ela amava com tanta intensidade.
Esperei ela por horas na arquibancada, a luta dela estava demorando tanto, comecei a ficar ansioso, e ao mesmo tempo preocupado , me dissera que teria 4 lutas.
Chamaram seu nome, levantei ela vinha tão linda, suas três primeiras lutas foram interessantes.
Na beira da grade , li o que os lábios diziam:

- Consegui, consegui chegar na final.

Estremeci, era muito bom ver aquele sorriso no rosto dela, os olhos brilhavam de uma maneira profunda e emocionante.
Se preparava para última luta quando eu senti meu peito doer, uma angústia contorceu lá dentro,controlei, mas achei estranho.
Comecei a torcer, gritando o nome dela, a luta começou igual, Mellanie estava vencendo, faltavam apenas dez segundos para acabar, quando seu protetor soltou bem na hora que ela tomou um  chute na cabeça.
Caiu de cabeça na mesa de marcação de pontos, fora do tatami, escutei apenas um estrondo, fiquei desesperado, tentando entrar lá dentro, os para-médicos chegaram colocaram ela na maca, passaram perto de mim, e olhei escorria sangue dos seus ouvidos.
Fui junto com ela na ambulância,desnorteado, completamente desnorteado, segurei sua mão, ela respirava com dificuldade :

- Mellanie...
- Morra por algo, ou viva por nada.

Com dificuldade ela disse essa última frase, encostei a cabeça no seu peito, escutei seus batimentos cardíacos parando.Não tinha voz, nem ação, sob minhas mãos ela simplesmente morreu.
Chorar, foi a única coisa que fiz nesse momento, mesmo depois de cinco anos, não consigo tirar a imagem dos seus olhos se fechando da minha memória.
Mesmo depois de anos, décadas, você pode dizer que sou um romântico brega, mas eu não vou esquece-lá.
Ela morreu dentro do seu sonho, fechou os olhos sorrindo, não,ela não era uma masoquista, sua humanidade apenas ultrapassava todos os limites, sentimentos sem lógica, eu vi amor dentro dela, eu vi todo aquele corpo, cheio de vida, ficar frio, mas ainda sim, exalar coragem, sem medo, ela morreu sem medo.
Ela sempre me disse que era uma bruxa, aprendi que bruxas são fortes, e princesas são doces demais para o meu conto de fadas, minha realidade não é puritana, é realista, e sincera, principalmente em seus personagens, eu sou apenas o elfo sonhador.

Assinado : Eros, com muito amor para minha Mellanie, eu sei que um dia você vai ler essa carta.


(Texto dedicado para Barbara, Lucas, e Rafael)

2 comentários:

  1. Amei teu blog,gostei tanto que resolvi ficar,já estou a te seguir e eu sempre estarei aqui a te lêr e comentar bjos de bom dia.

    ResponderExcluir
  2. Ah obrigada viu, vou retribuir, fico muito feliz que gostou *-*

    ResponderExcluir