domingo, 27 de março de 2011

Amada














Encostada no banco da praça as costas encharcadas,aquela chuva forte não cessava, mal sabia o quanto era amada em silêncio, não me importava quantas pílulas de destino destruído ela havia consumido, amava incondicionalmente aquela doce garota.
Cruel e divina, mas sempre vejo-a ofegando ternura, uma simples e doce canção, é o que posso dizer sobre ela.Amor move o mundo, principalmente o meu, onde reina a verdadeira face, máscara se você preferir da garota que eu amo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário