quarta-feira, 23 de fevereiro de 2011

Trechos














Ando deveras muito preocupada com o que se passa ao meu redor.Não que eu tema morrer; ao invés disso, sinto medo de ver-me eternizada em bloco de pedra, ou mesmo continuar como estou: esperando, esperando, apenas esperando salvar-me dos rostos quadrados, fugir e encontrar pessoas com as quais eu possa falar, sem que minhas palavras se percam no vácuo, inúteis.Porque vivo sozinha em um mundo cada vez mais estranho, fantástico e monstruoso.Não que as coisas tenham se modificado tanto.Desde menina este encarceramento me sufoca, minha coragem foi sempre formada do desejo de evasão, o desespero da fuga deu-me forças até hoje.Ignoro mesmo se existe um lugar onde se movam pessoas, e esta dúvida pode ser a causa da crescente inquietação que me domina, pois ameaça ruir minha única esperança.

  Maura Lopes Cançado- Hospício é Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário